Sunday, March 26, 2006

Pequena nota

"Still playing the missionary, Gallimard? Or are there other positions that interest you as well?”

in M. BUTTERFLY (1993), de David Cronenberg

Saturday, March 25, 2006

Portugal portugues!

Apesar do titulo deste post nao ter a minha prosa preferida (confesso que detesto o termo "fuga de cerebros", e' arrogante no minimo!) e' uma tematica que merece atencao . Por isso deixo a reproducao integral do texto do Miguel Araujo!

"Endogamia nas universidades promove fuga de cérebros e o atraso do País

A endogamia é o processo que conduz à contratação preferencial de docentes residentes na universidade contratante. Para assegurar a endogamia usam-se, frequentemente, duas de três estratégias. Primeiro, perfila-se o concurso de acordo com o currículo do candidato previamente escolhido. Segundo, abre-se o concurso divulgando-o o menos possível. Terceiro, preparam-se, cuidadosamente, armadilhas administrativas que permitam desqualificar os candidatos indesejáveis, ou seja, os que por mérito próprio teriam a possibilidade de destronar o candidato da casa numa avaliação curricular independente.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades e a endogamia – antes encarada como sendo normal e mesmo legítima – é, actualmente, considerada, pela maioria dos fazedores de opinião, de indesejável e nefasta. Por este motivo, os concursos, cuidadosamente redigidos para favorecer um currículo predeterminado, são, hoje, menos frequentes, dando-se preferencia às mais discretas armadilhas administrativas.

Recentemente tive ocasião de testemunhar um exemplo requintado de promoção de endogamia por parte da Universidade de Lisboa. Os concursos desta universidade, divulgados na página de “ofertas de emprego” da Fundação para a Ciência e Tecnologia, e ao contrário da prática adoptada, por exemplo, pela Universidade de Coimbra, não oferecem indicações precisas sobre o procedimento administrativo a seguir para as candidaturas. Estes anúncios dão margem de manobra para todo o tipo de artimanhas administrativas conducentes à exclusão dos candidatos indesejáveis. Por curiosidade resolvi testar a minha especulação e enviei o meu currículo acompanhado de uma carta em que alegava o desejo de ser considerado para o referido concurso. Foi sem surpresa que recebi uma carta da Reitoria da Universidade de Lisboa informando-me que a minha candidatura teria sido desqualificada por não ter sido acompanhada da “minuta de candidatura”. A dita “minuta”, que não se encontrava referida no anúncio do concurso, nem estava acessível em registo electrónico, não é mais que um papel onde se preenchem os espaços em branco, com o nome próprio, filiação e referência ao concurso. Aparte a filiação, que julgo ser um elemento desnecessário para tais concursos, a minha carta de candidatura possuía todos os elementos solicitados pela minuta. É difícil não concluir que a Universidade de Lisboa, ao nível da própria reitoria, encoraja a endogamia nos concursos públicos para contratação de docentes.

Este procedimento contrasta com os concursos nas melhores universidades do mundo. Nestas universidades não só não são requeridas minutas, como se pede aos candidatos que preparem uma carta (formato livre) onde se explicita a estratégia científica, pedagógica e de captação de fundos que o candidato propõe implementar se for contratado pela universidade. Ou seja, troca-se o procedimento burocrático (arauto defensor da mediocridade) por um procedimento inteligente (arauto defensor do mérito).

Infelizmente o exemplo que decorre da minha experiência com a Universidade de Lisboa (supostamente entre as melhores do País o que prova que “quem tem olho em terra de cegos...”) é apenas um entre muitos. Não deixa de ser sintomático que o País que gasta milhões de euros na formação avançada de jovens, nas melhores universidades do mundo, lhes feche depois a porta recorrendo aos pequenos artifícios da burocracia. Nos mais de doze anos que frequentei universidades e centros de investigação no estrangeiro conheci inúmeros Portugueses, financiados pela FCT, que, actualmente, possuem formações académicas e currículos científicos excelentes. Salvo raras excepções, a maioria não regressa a Portugal não porque não o deseje mas porque as portas do primeiro emprego estão cuidadosamente seladas por quem julga que o “direito” ao trabalho é prerrogativa de quem trocou as oportunidades de formação oferecidas pela FCT pela proximidade aos pequenos centros de poder nas universidades Portuguesas.

Não há plano tecnológico, estratégias de Lisboa, e protocolos com oMIT que resistam a uma burocracia cuidadosamente arquitectada para defender os interesses da mediocridade instalada. Assim, não vamos lá."
Dr Miguel B. Araújo

Cortes cirurgicos

Nao nasci cirugia~, e' um facto incontestavel!
Tenho uma incapacidade profunda de pegar na faca e zas, cortar derme, epiderme, musculo, tecido adiposo, etc. A razao nao tem nada que ver com aversao a objectos cortantes. Na verdade deem-me um bisturi que apontarei sempre para o sitio certo. Tenho uma mao condutora que e' absolutamente fabulosa.
Outra das minhas mestrias e' cortar bocadinhos de tecidos e voltar a cose-los ate mesmo com bonitos bordados. Nao sei se isto acontece porque venho de familia de costureiros e nao de meticulosos cirugioes?! Talvez...
Normalmente, os cortes que conduzo sao dolorosos mas como uma boa masoquista que sou (infelizmente) tenho tambem algum prazer, ou melhor dizendo alivio, quando apos ferida aberta ha algo extraido. Mas, ele ha as cirurgias de varios tipos. Restrinjo-me aqui apenas a tres: as que nos tiram um orgao, as que nos tiram um tumor e por ultimo as que resultam unicamente na remocao de uma pequena massa que nunca se chega a saber se era benigna, maligna ou ate congenita! As primeiras sao de uma dor profunda. Poucos sao os orgaos que realmente dispensamos e apos varias cirurgias a verdade e' que ou se tem um orgao artificial ou um dador. De outro modo nao se sobrevive. Ha ja alguns anos que vivo com um orgao artificial para me "confortar". O mais peculiar, e' que este e' o meu orgao defeituoso que funciona melhor fora de mim do que no meu corpo. Claro esta que nao e' perfeito e vivo a espera de um dador... Ate a data tenho vivido mais ou menos bem com isso. De resto, nenhum dador minimamente compativel apareceu. Tenho um MHC complicadissimo! A remocao de um tumor e' sempre um alivio e felizmente nunca tive que recorrer a grandes tratamentos pos cirurgicos. E' uma massa que nao faz falta nenhuma, ainda que seja tambem (ainda que nao tanto) uma cirurgia dolorosa! Por ultimo ficam as remocoes daquelas pequenas massas que nunca se sabe se vale a pena remover ou nao. Estao la!, nem fazem sentir bem nem mal. Como sao, com frequencia, esteticamente desagradaveis, zas, espetasse a faca! Neste ultimo caso sou mesmo incapaz de fazer a incisao!, mas fico sempre agradecida ao medico que ma faz! Nao lhe guardo qualquer arrelia por me ter cortado aquele pedaco que nao era meu, apesar que de algum modo seja tambem doloroso.
Em suma seja qual for o corte ele doi! Uns menos que outros. Voila', une verite de Monsieur de La Palice!

Friday, March 17, 2006

e mais Murakami

A escrita nao e sublime, os argumentos originais. Murakami e para mim como a sua 100%perfect girl: e-o simplesmente.
Que prazer este de encontrar surreais que passeiam no nosso comprimento de onda!
De resto, fica este pequeno comentario:

"Murakami once mentioned that there is no underlying meaning beneath his works and he does not want his work to be interpreted. He does not plan anything. He just writes.
"If I choose to write about sheep, it's just because I happened to write about sheep. There is no deep significance." (from HM shares his thougts with students by Anita Patil)"

A simplicidade, na forma, de Murakami...


"One beautiful April morning, on a narrow side street in Tokyo's fashionable Harujuku neighborhood, I walked past the 100% perfect girl.

Tell you the truth, she's not that good-looking. She doesn't stand out in any way. Her clothes are nothing special. The back of her hair is still bent out of shape from sleep. She isn't young, either - must be near thirty, not even close to a "girl," properly speaking. But still, I know from fifty yards away: She's the 100% perfect girl for me. The moment I see her, there's a rumbling in my chest, and my mouth is as dry as a desert.

Maybe you have your own particular favorite type of girl - one with slim ankles, say, or big eyes, or graceful fingers, or you're drawn for no good reason to girls who take their time with every meal. I have my own preferences, of course. Sometimes in a restaurant I'll catch myself staring at the girl at the next table to mine because I like the shape of her nose.

But no one can insist that his 100% perfect girl correspond to some preconceived type. Much as I like noses, I can't recall the shape of hers - or even if she had one. All I can remember for sure is that she was no great beauty. It's weird.

"Yesterday on the street I passed the 100% girl," I tell someone.

"Yeah?" he says. "Good-looking?"

"Not really."

"Your favorite type, then?"

"I don't know. I can't seem to remember anything about her - the shape of her eyes or the size of her breasts."

"Strange."

"Yeah. Strange."

"So anyhow," he says, already bored, "what did you do? Talk to her? Follow her?""

Thursday, March 09, 2006

E após as comemorações, já se sabe, tudo esquece e regressamos ao mesmo...

Wednesday, March 08, 2006

A' minha cara "blog team member" : uma "feminina feminista"

Monday, March 06, 2006

The escape

Depois de um mês a trabalhar em casa e na biblioteca, regresso ao 'trabalho', i.e. ao 'gabinete'. Detesto gente que encara a investigação, sobretudo em ciências sociais, dentro da lógica do funcionalismo público... Lá se esvai a criatividade... Apetece-me fugir!

Sunday, March 05, 2006

Amiga da alma! (2)

Aparentemente movimenta-se bem por entre a multidao, discreta e trigueira.
Nunca sei se ela sabe bem para onde vai, mas ela segue sensata e chega segura com aquele sorriso no canto da boca, tao seu! Ai esse sorriso faz dias, esquece meses, limpa nevoeiros...
Encontro-a nas encruzilhadas da vida com as palavras atentas sempre prontas para mais uma historia...
foram tantos os contos que nos contamos... foi aqui ou la longe na terra do nunca,
misturaram-se as verdades onde nos apeteceu
o barulho foi-se
ficaram silenciosas cumplices!

PS: uma repeticao que faco questao de deixar aqui!

Amiga da alma! (1)


"AMIGOS PENSADOS
No principio era Alice
e no fim era Alice e
no meio era Alice.

Alice labil, bonitinha, rapida
como uma parvoice
de Alice."

Alexandre O'Neill

Saturday, March 04, 2006

A Senhora do Inviavel!

A Senhora do Inviavel, assim conhecida pelos escolhidos prazeres de alcova, apunhala a sangue frio e ate mesmo premeditadamente um velho amor!
Velho pelas rugas,
Velho pelas empoeiradas memorias...
Em vez da satisfacao, do alivio do cumprido “pay back” fica mais uma vez a magoa, essa maldita.
A Senhora do Inviavel, fazendo jus ao nome que lhe dariam os seus mais intimos conhecidos, nao consegue vislumbrar o futuro sem que a inviabilidade do seu mais bonito amor a acompanhe.
Essa senhora, que ainda ontem era menina, nao se ve a passear sem que as maos masculinas do homem apunhalado estejam ora enfiadas nos seus bolsos ora agarradas as suas.
O Senhor Apunhalado nunca percebera o quao amadas sao as suas palavras, as suas maos, o seu corpo...
A Senhora do Inviavel ama o Senhor Apunhalado!

Friday, March 03, 2006

Proud to be a scientist!


Science 3 March 2006:
ANIMAL RESEARCH:
Protesters March to a Different Drummer
Eliot Marshall


OXFORD, U.K.--A placard-waving crowd took to the streets here on 25 February with an unusual message: Support animal research. Several hundred people showed up, among them a few speakers from the University of Oxford faculty, including neurosurgeon Tipu Aziz (surrounded by a crowd, right). The idea for the rally came from 16-year-old Laurie Pycroft, who describes himself as an Internet blogger and fan of science. Angered by an encounter in January with protesters seeking to halt construction of Oxford's $34 million life sciences lab, Pycroft decided to respond with a pro-lab march. The idea caught on. The same day, opponents of the lab staged a rally several blocks away; police kept them apart. Oxford has been the main target of animal-rights protests since the University of Cambridge gave up on plans for a primate facility 2 years ago. Last fall, the Animal Liberation Front took credit for torching an Oxford boathouse (Science, 5 August 2005, p. 872); ALF recently declared on its Web site that anyone connected to the university is "a legitimate target."

Wednesday, March 01, 2006

Onde esta Wally?


Martin Handford

...o Miguel, o Pedro, o Joao, o Antonio, o Tom, o Angus, o Sam...
Passei o dia a pensar no Wally...quando o encontrei nao sabia bem o que fazer com ele.
Ja vi este filme (!) com o Miguel, o Pedro, o Joao, o Antonio, o Tom, o Angus, o Sam, and so on and on!

O que tenho para te dar?!

Ouvidos...